O não de Obama aos ateus: ‘Jurarei invocando a Deus’

O não de Obama aos ateus: ‘Jurarei invocando a Deus’

O nome de Deus é invocado muito frequentemente pelo Estado norte-americano. “In God we trust”, confiamos em Deus, é a legenda estampada nas suas cédulas de dinheiro. “One nation under God”, uma nação sob as ordens de Deus, aparece no Juramento à Bandeira de 1954, a era do anticomunismo. “God bless America”, Deus abençoe a América, é a frase final dos discursos presidenciais. E na sua inauguração, o novo presidente pede “So help me God”, que Deus me ajude. Uma tradição, defendem muitos historiadores, iniciada por George Washington em 1789 (ainda têm-se dúvidas a respeito) e observada só por alguns de seus sucessores, mas tornada costume em 1933, com Franklin Roosevelt, que, talvez secretamente, duvidada que conseguiria salvar o país da Grande Depressão sem o apoio divino.

A reportagem é de Ennio Carretto, publicada no jornal Corriere della Sera, 14-01-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

As contínuas invocações a Deus perturbaram tanto os ateus americanos – segundo os quais são inconstitucionais – que um de seus expoentes, o médico californiano Michael Newdow, colocou na justiça (em nome de 10 associações e 17 pessoas) os comitês organizadores da posse de Obama, os dois pregadores Joseph Lowery e Rick Warren, que farão as orações, assim como o presidente da Suprema Corte, John Roberts, pedindo que, na cerimônia, não se pronuncie a palavra “Deus” e que Obama não conclua o solene juramento – “Juro solenemente que executarei fielmente o cargo de presidente dos Estados Unidos e farei o meu melhor para preservar, proteger e defender a Constituição” – com o fatídico “So help me God”.

É difícil que o tribunal federal sentencie a tempo – o pedido é do dia 31 de dezembro –, ou melhor, é provável que acabe por rejeitá-la.

Mas Obama, que é religioso e jurará sobre a Bíblia de Lincoln, o presidente da abolição da escravidão, antecipou-se afirmando que irá dizer “Deus me ajude”. É uma invocação que não atinge o princípio da separação Estado-Igreja, indicaram os porta-vozes, e que não viola a Constituição, cujo primeiro artigo veta o Congresso de estabelecer uma religião nos Estados Unidos. Um ato de fé apropriado em um momento muito delicado para o país.
Newdow explicou não ter citado Obama pessoalmente, “porque, como cidadão, ele tem o dierito de observar a sua religião”, mas por ainda esperar que ele diga “So help me God” em privado. E acrescentou que, se falhar no tribunal, irá recorrer, para obter que, depois das eleições de 2012, Obama e o seu sucessor renunciem ao “Deus me ajude”.

Uma missão impossível? Newdow já falhou em 2001 e 2005, na posse de Bush à Casa Branca, época em que os neoconservadores brigavam para que os EUA se definissem como uma república cristã. Os fiéis norte-americanos o atacaram. “Ele quer que o Estado desminta a existência de Deus”, rebateu Scott Walter, da Fundação pela Liberdade Religiosa. “Mas os nossos valores se baseiam nessa existência”.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s